28 junho, 2010

Revendo algumas postagens antigas, encontrei uma composição de Oswaldo Montenegro que postei há alguns anos e que chegou a assustar o quanto encaixou-se perfeitamente ao meu “hoje”. Belíssimas palavras que falam por mim, dessa minha existência dúbia, carregada de sentimentos precisos e múltiplas certezas. No fim, o amor é o que rege e o que fica. Espero que gostem.


"Que a força do medo que tenho não me impeça de ver o que anseio.
Que a morte de tudo em que acredito não me tape os ouvidos e a boca.
Pois metade de mim é o que eu grito, a outra metade é silêncio.
Que a música que ouço ao longe seja linda ainda que triste.
Que a mulher que amo seja pra sempre amada, mesmo que distante.
Pois metade de mim é partida, a outra metade é saudade.
Que as palavras que eu falo não sejam ouvidas como prece, nem repetidas com fervor, apenas respeitadas como a única coisa que resta a um homem inundado de sentimentos.
Pois metade de mim é o que ouço, a outra metade é o que calo.
Que a minha vontade de ir embora se transforme na calma e paz que mereço.
Que a tensão que me corrói por dentro seja um dia recompensada.
Porque metade de mim é o que penso, a outra metade um vulcão.
Que o medo da solidão se afaste e o convívio comigo mesmo se torne ao menos suportável.
Que o espelho reflita meu rosto num doce sorriso que me lembro ter dado na infância.
Pois metade de mim é a lembrança do que fui, a outra metade não sei.
Que não seja preciso mais do que uma simples alegria pra me fazer aquietar o espírito e queo seu silêncio me fale cada vez mais.
Pois metade de mim é abrigo a outra metade é cansaço.
Que a arte me aponte uma resposta mesmo que ela mesma não saiba e que ninguém a tente complicar. Pois é preciso simplicidade pra fazê-la florescer.
Pois metade de mim é platéia a outra metade é canção.
Que a minha loucura seja perdoada.
Pois metade de mim é amor.
E a outra metade também".

Oswaldo Montenegro - Metade.

2 comentários:

camila chaves disse...

ah, muito boa a escolha.

no começo tive uma camiseta com o final desta canção/poesia, mas toda mesmo conheci não faz muito tempo, e é incrível esse poder que ela tem de expressar isso sobre coisas dúbias, mas que ao fundo se completam.

enfim. minha primeira visita por aqui depois de saber de uma certa insônia produtiva. hehehe.

um abraço e até as próximas palavras.

Magdalene le Boursier disse...

Com certeza lindo. Algo pra descrever as pessoas que ainda tem coisas bonitas dentro do coração, mesmo que incertas, dúbias, etc.

Se me permite, vou roubar seu texto, porque eu tinha me esquecido dele, e ele se encaixou também pra mim... :]
Take care! =*